quarta-feira, 30 de abril de 2008

Haiku XIV

No fundo da gruta
lentamente abriu-se
uma porta

domingo, 27 de abril de 2008

Haiku XIII

Charco quente,
um pequeno sapo
esborracha o girino

quarta-feira, 23 de abril de 2008

Haiku XII

Linha do Metro.
Cego pedinte
ritmando as moedas

segunda-feira, 21 de abril de 2008

Haiku XI

Manhã sombria.
Escondido entre as papoilas
um haiku desfocado

quinta-feira, 17 de abril de 2008

Haiku X

Aprazível mulher
banhando-se ao sol.
Mosca à volta.

segunda-feira, 14 de abril de 2008

Haiku IX

Sarjeta escondida da luz
Duas pombas
lutam por pão

sexta-feira, 11 de abril de 2008

Haiku VIII

Inverno findo
Uma folha de plátano
vence a corrida

terça-feira, 8 de abril de 2008

Haiku VII

Rossio, dia húmido_
caixote do lixo aberto
exibindo vapores

segunda-feira, 7 de abril de 2008

Haiku VI

Dia em Lisboa,
calor cortante_

rouxinol cantando

sábado, 5 de abril de 2008

Haiku V

Do ramo nu do sobreiro
caiu a víbora
no pescoço do bebé

sexta-feira, 4 de abril de 2008

Haiku IV

Campo de cimento_
um gato contempla
a andorinha morta

quinta-feira, 3 de abril de 2008

Haiku III

Chuva intensa.
Graffiti colorido
rindo-se da água

Haiku II

Inverno tempestuoso
Apenas um girassol
procura a luz

Haiku I

Tejo num dia solarengo
Carrego na mão
uma gota de água